Caio Castro e a experiência do armário

Por Marcelo Hailer, para A CAPA

A polêmica de Caio Castro envolve toda uma questão que vai muito além do estar dentro ou fora do armário. Diz respeito a maneira como os sujeitos gays se portam em público. Existem milhares de homossexuais que estão fora do armário para seus familiares, amigos e colegas de trabalho. Porém, não trocam carícias em público, reprovam os outros homossexuais que o fazem, aceitam a matemática de que o afeto gay deve ser realizado apenas entre quatro paredes alegando o fator de que não é “seguro” trocar carinho em locais públicos. Não seria isso uma outra maneira de estar dentro do armário?

 

Quando afetos gays são realizados em espaços públicos, que culturalmente e até mesmo institucionalmente, são espaços reservados/ legalizados para o afeto heterossexual, ou seja, quando dois corpos do mesmo gênero resolvem romper com o armário do espaço público e assumir o seu afeto, um choque se constrói em torno dos corpos classificados enquanto heterossexuais, é como se os dois corpos iguais a se abraçar e a se beijar representassem uma ameaça as normas do “bem viver” dos heterossexuais.

Conhecemos o sair do armário em escala coletiva quando se da a realização de Paradas Gays ao redor do Brasil. No momento em que acontece a Parada Gay, muitos dos homossexuais que vivem no armário, seja totalmente ou parcialmente, se juntam ao corpo da manifestação e se beijam e trocam carícias em plena Avenida. Porém, é fato de que muitos que lá estão, após o termino do evento, voltam para dentro dos armários em seus variados tipo de ser e existir.

Há muitos que no dia seguinte vão ao trabalho, local onde ninguém sabe de sua homossexualidade. Ainda vivemos com pessoas (empurradas pelo sistema normativo do qual todos fazem parte) que vivem totalmente dentro do armário. Pergunta-se: até que ponto a saída do armário é uma experiência libertadora? Será que nos dias de hoje é possível falar de uma vida 100% fora do armário?

A fala de Caio Castro (“prefiro ter a fama de pegador do que de veado”), evidencia o armário institucional imposto pela indústria da cultura construída dentro do regime liberal. Até por que os atores galãs, classe onde Castro está alojado, são desencorajados a sair do armário, pelo menos para a imprensa e para o seu público – e aqui temos dois tipos de saída de armário – pelos autores de novelas e também por seus empresários.

O motivo já é um velho conhecido: depois que o astro galã revelar o seu verdadeiro sentimento desejante (o homossexual), provavelmente só vai interpretar gays e nunca mais será alçado à categoria de galã. Segundo os mecenas de produtos televisivos e cinematográficos, o mito do galã, este que move centenas de fãs, estará morto e não mais produzirá dividendo dentro da audiência.

Isso é reproduzido por vários setores da imprensa, estar fora do armário enquanto homem heterossexual e “pegador” acabam por alimentar ainda mais o desejo sexual platônico em torno do ator e assim fazer com que ele adquira mais fãs e consiga mais trabalhos na televisão e também no cinema.

Um ator como Caio Castro até pode sair em defesa dos direitos gays (aqui uma outra saída de armário, em outros tempos, o simples fato de defender direitos civis gays seria interpretado como característica de uma possível homossexualidade), atitude que o ator fez logo em seguida à polêmica sucedida à sua declaração. Ao dizer que tem vários amigos gays e que não tem preconceito, mas nunca assumir a sua homossexualidade, a não ser quando este estiver com mais de 50 anos e não for mais headliner de produções culturais, caso muito comum na indústria cultural.

Toda a polêmica gerada em torno da declaração do ator revela que ainda vivemos sob uma forte política do espaço público como local de vivência privilegiada da identidade heterossexual. Ainda vivemos uma época em que a saída do armário não se dá uma única vez, mas que ela é composta por várias etapas de saídas do armário no meio social. Na mesma semana em que Caio Castro deu sua declaração que incomodou a comunidade gay, outra figura também foi vítima da política do armário. Neste caso foi a presidente Dilma Rousseff (PT), desafiada pelo deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) a sair do armário e “assumir o seu amor pelos e com os homossexuais”.

A postura de Bolsonaro nos remete à cultura mais obscurantista em torno da saída do armário, que já foi citada neste texto, aquela em que pessoas não homossexuais resolvem sair do armário e defender os direitos civis dos gays. Não foram poucas as pessoas que, indiretamente concordaram com Bolsonaro, e disseram que a presidente Dilma deveria sair do armário. O fato da presidente não corresponder aos símbolos dominantes da feminilidade, ou da mulher de “verdade” (delicada, passiva e casada), faz com que as pessoas desconfiem de sua orientação sexual e a incitem a sair do armário. Como se vê, a questão de estar dentro ou fora do armário vai muito além da política do assumir, ela está ligada a uma postura política e composta de várias fases e saídas repletas de preconceitos e estruturas opressivas que fazem com que muita gente, galã ou não, permaneça dentro do armário, seja ele qual for.

A filósofa norte-americana Eve Kosofsky Sedgwick (1950-2009) se debruçou sobre o tema ao escrever o clássico texto “A Epistemologia do Armário, onde a estudiosa do gênero estabelece que a saída de armário também se dá com as identidades ciganas, judias, indígenas e outras. Porém, cada uma com a sua especificidade social.

Com esta afirmação entendemos que a questão de sair do armário e assumir publicamente uma identidade social não diz respeito única e exclusivamente à comunidade gay, ela perpassa vários setores da sociedade e é muito mais complexo do que supõe o senso comum.

Leia também:

IT’s TIME

DIA DO MEDO MACHO

Anúncios

It’s time

Campanha australiana pelo casamento civil entre pessoas do mesmo sexo.

Leia também:

JUSTIÇA DÁ AO RIO PRIMEIRO CASAMENTO GAY

Justiça dá ao Rio primeiro casamento gay

Claudio Nascimento Silva e João Pereira da Silva serão os primeiros cariocas a terem convertida a união estável em casamento civil, no estado do Rio de Janeiro. A decisão, tomada na última segunda-feira pelo juiz Fernando César Viana, abre caminho para que outros casais mudem de estado civil.

A informação completa aqui.

Leia também:

PARA DIA DO HÉTERO, BOLSONARO ASSOCIA AIDS E CRIMINALIDADE A GAYS

Para Dia do Hétero, Bolsonaro associa AIDS e criminalidade a gays

Repercuto aqui a informação do Tupi.DOC, onde escrevo, de que para justificar a criação de um dia de orgulho heterossexual, o vereador Carlos Bolsonaro (PP), filho do deputado federal Jair Bolsonaro (PP), associa o HIV, crianças órfãs e criminalidade aos gays. Leia aqui.

Leia também:

RIO PODE TER O DIA DO ORGULHO HÉTERO

Rio pode ter o Dia do Orgulho Hétero

“Temos de dar um basta nessa ditadura ridícula que estão tentando impor no país inteiro"

Conversei para o Tupi.DOC, onde escrevo, com o vereador do Rio Carlos Bolsonaro (PP) sobre a criação do Dia do Orgulho Hétero – projeto, segundo ele, para combater o massacre promovido pelos gays.

Também ouvi o deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) que comentou a ideia da proposta.

Tudo está aqui.

Leia também:

PREFEITO DO SP VETA DIA DO ORGULHO HÉTERO

YOUTUBE CENSURA BEIJO GAY

Youtube censura beijo gay

Apesar de a classificação indicativa do Ministério da Justiça considerar iguais beijo entre homem e mulher, entre duas mulheres ou entre dois homens, o Youtube resolveu censurar para maiores de 18 anos o vídeo de Rafael Puetter que aqui postamos no último dia 10.

A “classificação18 anos” é adotada quando há imagens com sexo e nudez, apologia ao ódio, imagens chocantes ou repugnantes e atos perigosos e ilegais. Não é o caso, como você pode ver.

Puetter respondeu com outro vídeo, questionando a própria rede social.

Leia também:

YOUTUBE PROVOCA TV E EXIBE BEIJO GAY

NOVELAS E GAYS: ALGUÉM AJUDE COM AS PALAVRAS

Prefeito de SP veta Dia do Orgulho Hétero

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD), decidiu vetar a proposta aprovada pela Câmara de vereadores que criaria o Dia do Orgulho Hétero. Há 10 dias, no entanto, Kassab dissera ver o “projeto como outro qualquer”. Hoje, a medida é “despropositada” para ele.

Pressionado, prefeito muda de opinião e agora diz que Dia do Orgulho Hétero é despropositada

“O heterossexual é maioria, não é vítima de violência, não sofre discriminação, preconceito, ameaças ou constrangimentos. Não precisa de dia para se afirmar”, disse o prefeito em entrevista publicada hoje no “Agora São Paulo”.

Gilberto Kassab considerou, porém, que dias de orgulho da mulher, do negro, minorias raciais “e outros” têm sentido, porque “essas datas, sim, estimulam a tolerância, a paz e a solidariedade entre as pessoas”.

O projeto do vereador Carlos Apolinário (DEM) vinha sofrendo severas críticas da imprensa e setores da sociedade, por ser um “monumento à homofobia” – como definiu o jornalista Fernando de Barros e Silva.

Apolinario, membro da igreja Assembleia de Deus, disse ontem, em artigo na “Folha de S.Paulo” (para assinantes), que seu objetivo foi “debater o que é direito e o que é privilégio”. Para ele, o Dia do Orgulho Hétero não incentiva a homofobia. O projeto foi aprovado no início do mês. Dos 50 vereadores presentes, 19 se manifestaram contra.

Leia também:

ORGULHO HÉTERO NÃO É HOMOFOBIA, DIZ KASSAB

SP ÀS VIAS DE GANHAR UM MONUMENTO À HOMOFOBIA

TRÊS ADOLESCENTES AGRIDEM GAYS NO METRÔ EM SP

DIA DO MEDO MACHO

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.